Início » Entrevista com a escritora Sônia Santé

Entrevista com a escritora Sônia Santé

por Letícia Dutra
0 comentário

A Praxe Literária tem orgulho em valorizar e apoiar a literatura nacional brasileira, por este motivo, estamos iniciando um quadro de entrevistas aqui no site onde você poderá conhecer melhor os autores nacionais que passarem por aqui.

Antes de sabermos mais sobre a autora, que tal conhecer um pouquinho da história de Fique Comigo?

Fique Comigo 🏹

UM GREGO ARROGANTE E SEDUTOR, DESCRENTE DO AMOR. UMA JOVEM INDÍGENA EMPODERADA E SONHADORA. UM ENCONTRO IRRESISTÍVEL E UMA PAIXÃO AVASSALADORA AMEAÇADOS POR UM SEGREDO DE FAMÍLIA.

PÉTROS GALANISS é CEO do grupo de sua família e desde muito jovem após a perda precoce de seus pais, aprendeu a ser prático e não tolera que as situações fujam ao seu controle. Mas, tudo muda quando os seus avós decidem escrever um livro retratando toda a história da família Galaniss, uma das mais tradicionais e importantes da Grécia.
ALIRA TUPANI é doutoranda na universidade de Atenas e por ser historiadora foi contratada para desenvolver o livro da família Galaniss. Nascida às margens do rio em meio a floresta Amazônica, tornou-se uma especialista em observar, identificar e respeitar a cultura dos povos originários. Mas, a sua vida vira de cabeça para baixo quando um grego arrogante e muito gostoso cruza o seu caminho, impedindo-a de seguir seu plano em assumir uma cadeira fixa na universidade em que estuda.
Poderiam duas culturas tão diferentes superarem os preconceitos da sociedade contemporânea?
A paixão avassaladora é capaz de despertar um amor genuíno entre dois seres completamente diferentes?

🔞 ATENÇÃO: Este livro não é recomendado para menores de 18 anos.

Qual é o seu nome?
Sônia Santé

Onde você nasceu?
Mariana/MG

Onde você mora?
Belo Horizonte/MG

Quais suas fontes de inspiração?
A vida e tudo o que há nela para ser vivido e experimentado.
A natureza e toda a sua exuberância.
As sete expressões artísticas: a pintura, a escultura, a música, a literatura, a dança, a arquitetura e o cinema.
Os relacionamentos amorosos, familiares, de amizade, profissionais, espirituais.
As conexões que faço com o todo e comigo mesma.

Qual foi o primeiro livro que você leu?
Não me lembro se foi o primeiro, mas um que me marcou foi AS MENINAS, de Lygia Fagundes Telles.

Qual a sua idade atual e sua idade que começou a escrever?
58 anos. Escrevo desde sempre. Mas este ano tive coragem de materializar a minha 1ª obra literária.

Qual foi o primeiro livro que você escreveu?
Fique Comigo, um romance contemporâneo, o 1º livro da série Atalhos para o Coração.

Como foram as suas pesquisas e quanto tempo levou para concluir seu livro? A ideia surge como um relâmpago que rasga o céu, rasgando os meus pensamentos. Nesse turbilhão começo a escrever e simultaneamente a pesquisar. O binômio escrever e pesquisar caminharam juntos a todo momento até o final do 1º livro que foi concluído em 4 meses.

O que foi mais difícil no desenvolvimento do seu primeiro romance? Não tive uma dificuldade marcante durante a escrita do livro. O desafio foi definir sobre a sua publicação e encontrar as pessoas e ter os recursos necessários para apoiar a sua publicação.

Poderia destacar um trecho que você acha especial em seu livro? A narrativa do primeiro relacionamento sexual da protagonista Alira na perspectiva do protagonista masculino, Pétros. Foi muito gratificante escrever esse trecho do romance.

Enfrentou alguma dificuldade durante o processo de escrita? Sim, em conciliar o tempo de escrita com o tempo de atuação profissional e as interações familiares. Nota: entendo que ser escritora é exercer uma profissão também.

Qual sua maior dificuldade em escrever? Escrever é uma forma de prazer e passa pela minha linha do desejo. Dessa forma, não consegui identificar algo que me cause essa dificuldade, pelo menos por enquanto.

O que você aprendeu com o seu livro? Aprendi que ele é muito mais que palavras e narrativas. Aprendi a confiar mais na minha capacidade de materializar por meio de palavras os diferentes sentimentos da dimensão humana. Ele me ensinou a ser cuidadosa ao registrar cada narrativa, a deixar fluir o meu lado insano e sonhador, sem perder a conectividade com a razão. Enfim, me ensinou a aquietar o silêncio e me deu a oportunidade de organizar o meu caos.

Qual a sua inspiração para escrever? O movimento de todos os meus sentidos me inspira. Outro dia tive inspiração ao ver uma pipa no ar e uma folha trazida pelo vento, ao sentir a pujança das montanhas que circulam as Minas Gerais, ao ler um poema, uma frase de caminhão. Ao inalar o aroma do biscoito caseiro ou da poluição soprada pelos carros. Ao me alegrar com a vitória do meu time de futebol, sem mesmo estar torcendo por ele ou nenhum naquele momento. Ao sentir o doce na boca amarga pela indignação. Ao me entristecer com a banalização da vida humana, ao frear o carro por uma negligência no trânsito, ao passar pela catraca do ônibus. Ao subir ou descer na escala do julgamento humano. Ao sentir o ardor do sol na minha pele e o gelo da injustiça. Ao passear com meu pet, ao dar bom dia ao vizinho. Ao ouvir uma música, o som da queda de uma cachoeira, da chuva que cai forte lá fora, do pingo da torneira na xícara. Ao beijar a face dos meus filhos, ao abraçar o meu amor e ao receber um carinho espontâneo. Ao orar e ter gratidão por estar viva. Ao tocar a face como um último carinho antes de um derradeiro suspiro de vida de uma pessoa muito amada. Tudo e todos me inspiram.

Para você, o que não pode faltar na hora de escrever? Ideias, uma roupa confortável, batom na boca, sentimentos, um lugar tranquilo, água, aroma de óleos essenciais e o som de músicas que escolho de acordo com o momento e os personagens que crio, que podem ir de um estilo suave ao samba ou ao rock pesado.

Por que escrever? Vou responder, mas antes quero substituir o “por que” pelo “para que”. Escrevo para organizar o meu caos, para me salvar, para deixar fluir a minha essência e para permitir ao leitor me encontrar e encontrar-se. Escrevo para desencadear sentimentos e sonhos. Escrevo para me permitir ser e estar no mundo. Para tocar a alma dos meus leitores.

Qual o seu objetivo no mundo literário? Ser conhecida e respeitada como escritora, e conseguir que pelo menos uma de minhas obras venha alcançar a posição de um best-seller.

Em uma frase defina a importância da escrita em sua vida. A escrita é importante, pois me torna livre, plena e mantem acesa a minha chama de vida.

Como o leitor interessado deverá proceder para adquirir o seu livro e saber um pouco mais sobre você e o seu trabalho literário? Meu livro está disponível na plataforma Amazon para compra ou grátis no Kindle Unlimited. Acesse: https://www.amazon.com.br/dp/B0B982FCVR

Meus contatos:
E-mail:
[email protected]
Instagram e Facebook: @autorasoniasante
Linktree: https://linktr.ee/autorasoniasante
Skoob: https://www.skoob.com.br/autor/33363-sonia-sante
Publisko: https://publisko.com/book/fique-comigo-ebook-47491/authors

Existem novos projetos em pauta? Sim. Escrever os 3 livros da série Atalhos para o coração. Escrever 2 trilogias até o início do ano…

Perguntas rápidas:
Um livro:
A menina que roubava livros.
Um (a) autor (a): João Guimarães Rosa e Clarice Lispector.
Um ator ou atriz: Paulo Autran e Lilia Cabral.
Um filme: Horizonte perdido.
Um dia especial: Quando os meus filhos nasceram e pude exercer a maternidade.

Deseja encerrar com mais algum comentário? Este ano passei por alguns momentos difíceis que me colocaram a prova. Dias longos e desafiadores. Nesse contexto uma querida me perguntou: “Como você está aguentando diante de tudo que tem passado?” Encarando-a no fundo dos olhos respondi: “Eu não aguento, escrevo.” É isso, escrevo para “organizar o meu caos”. E, para completar deixo um pequeno fragmento do que rascunhei um dia: Ah, o tempo… Esse senhor que assume a função de colocar as nossas dores e amores em gavetas, que vão ficando cada vez mais para dentro do nosso armário psíquico. Ah o tempo… Esse senhor que passa sem nos avisar e nem emitir um sinal de que ainda estão ali, naquelas gavetas, os nossos guardados de amor e de dor. Ah o tempo… Esse senhor que sabe que as dores não somem, mas ficam menos doídas. Ah o tempo… Esse senhor que não nos informa que o amor sempre estará ali e pode novamente eclodir.

Conheça e leia uma amostra aqui

Muito obrigada à você que leu até aqui. Clique na imagem acima e conheça mais do livro Fique Comigo.

Meu muito obrigada também a autora Sônia Santé pela entrevista ao nosso site.


Confira aqui a entrevista com a autora Juliana Fernandes.


Publicações relacionadas

Deixe um comentário!